Home Cursos e Concursos Entenda como a qualidade do sono interfere no aprendizado

Entenda como a qualidade do sono interfere no aprendizado

705
0
Compartilhe
qualidade do sono

A qualidade do sono interfere diretamente na maneira como você retém as informações. Quem dorme mal pode apresentar problemas de memória e de atenção ao longo do dia. É justamente isso que todo concurseiro quer evitar, não é verdade?

Se você acredita que não está rendendo o bastante na preparação para as provas, deixe o café de lado e acompanhe o post de hoje. Está na hora de tentar relaxar.

Fases do sono e a relação com o aprendizado

O ciclo do sono é dividido em quatro fases, cada uma com características diferentes. Precisamos explicar quais são essas etapas para você entender a importância de dormir um número suficiente de horas. Veja:

Fase 1 (sono leve): é quando a pessoa fecha os olhos e começa a relaxar. Nesse período, o corpo ainda está em vigília, então qualquer barulho pode despertar o sujeito.

Fase 2 (sono leve): nessa parte, o indivíduo já está dormindo, mas a mente continua em estado de alerta. Distúrbios no ambiente são capazes de interromper o ciclo, fazendo a pessoa acordar.

Fase 3 (sono profundo): leva-se em torno de meia hora para alguém atingir a fase 3. Agora, os músculos estão completamente relaxados e menos sensíveis aos estímulos externos. Despertar por qualquer motivo fica mais difícil.

Fase 4 (sono REM): a fase REM (rapid eye movement) é o momento em que o cérebro começa a trabalhar com mais força. As pálpebras do adormecido movimentam-se rapidamente. Surgem os sonhos. O corpo se prepara para acordar.

Cada estágio tem sua importância. É durante o sono profundo, por exemplo, que o organismo repara pequenas lesões físicas que tenham ocorrido. Já a fase REM é fundamental para reter as informações que aprendemos no dia anterior, principalmente as memórias relacionadas ao conhecimento matemático e lógico.

Isso acontece porque, quando estamos acordados, o conhecimento recente fica armazenado no hipocampo, uma área do cérebro. Ao dormirmos, os neurônios formam uma rede capaz de levar as informações ao neocórtex. É lá que se consolidam as memórias permanentes.

Em resumo, você até pode sentir que aquela “pescada” de dez minutos é ótima para recuperar a energia física. Porém, ela não ajuda a cristalizar o conhecimento adquirido na aula. Em vez de cochilos no ônibus ou no intervalo do almoço, o trabalho intelectual exige uma boa noite de sono.

Como garantir a qualidade do sono

O tempo necessário de sono varia de organismo para organismo. Os especialistas costumam recomendar algo entre seis e oito horas diárias, dependendo das necessidades da pessoa.

Quanto à qualidade do sono, existem algumas orientações básicas. A principal delas é ter um quarto escuro e silencioso. Além disso, não pratique atividades físicas nem faça refeições pesadas antes de dormir. Prefira alimentos leves, sem cafeína nem álcool.

Deixe o futebol ou a corrida para mais cedo. Os exercícios aeróbicos são necessários para manter o vigor da mente. No mais, você pode experimentar algumas técnicas para aumentar a concentração, como meditação ou trabalhos manuais.

Lembre-se: todo concurseiro precisa ter foco nos estudos. Porém, a cabeça só funciona quando o corpo está saudável. Mens sana in corpore sano, já diziam os antigos. Os ensinamentos clássicos existem por uma razão. 😉

Esperamos que o post de hoje tenha sido útil. Como tem andado a qualidade do seu sono? Será que você precisa reorganizar os horários de descanso? Deixe um comentário! E aproveite para conferir outras dicas sobre concursos públicos aqui no nosso blog.

 

Cadastre-se e receba nossa Newsletter

Gostou do conteúdo? Inscreva-se na nossa newsletter.