Home Blog

Entenda os perigos da Ritalina na preparação para concurso

0

A rotina preparatória para um concurso público é tão desgastante que, muitas vezes, os candidatos tomam medidas extremas para manter o foco. Tem gente que recorre a medicação tarja preta, como o cloridrato de metilfenidato. Conhecida pelo nome comercial Ritalina, a substância virou uma controversa aliada da produtividade.

Embora o uso desse produto tenha se tornado popular, ele é contraindicado na maioria das situações. Além da dependência química, pode causar efeitos colaterais que pioram o desempenho nos estudos. Saiba mais a seguir.

Ritalina sem prescrição médica é ilegal

A Ritalina é uma droga utilizada para controlar o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), especialmente em crianças. Ela é distribuída gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS), mas só pode ser entregue ao usuário mediante apresentação de prescrição médica.

Como muitos concurseiros não têm diagnóstico de TDAH, eles arranjam vias alternativas para conseguir acesso ao medicamento. É possível comprar cloridrato de metilfenidato até pela internet.

No entanto, desaconselhamos essa prática. Adquirir um remédio tarja preta sem receita configura crime. Trata-se do porte de entorpecente para uso próprio.

Efeitos colaterais da Ritalina derrubam a produtividade

E não seria exagero classificar a Ritalina como entorpecente. Espécie de prima das anfetaminas, ela tem ação similar à da cocaína no organismo. A primeira sensação é um efeito estimulante intenso. Isso causa a falsa impressão de que a pessoa está atenta e superconcentrada nas tarefas.

O sujeito até perde o sono, mas isso não significa melhor rendimento nos estudos. Pelo contrário: o desempenho intelectual sai prejudicado. A substância afeta a memória, o que também dificulta a capacidade de reter informação.

Não para por aí. Os efeitos colaterais do metilfenidato podem incluir ansiedade, depressão, crises de pânico e surtos psicóticos. “O candidato pode ficar paranoico, ouvir vozes e passar a interpretar a realidade de forma errônea”, explica o psiquiatra Dartiu Xavier da Silveira, em reportagem do portal G1.

Vale lembrar que medicamentos de uso controlado, como a Ritalina, causam dependência. Portanto, a administração desses produtos deve ser orientada por um médico. Jamais recorra a essa alternativa por conta própria!

Como melhorar o rendimento nos estudos sem Ritalina

Se Ritalina é tão prejudicial para a concentração, agora você deve estar se perguntando o que fazer para garantir a produtividade nos estudos. Na verdade, não existe uma receita única que funcione para todos os concurseiros. Cada indivíduo tem que conhecer o próprio corpo e avaliar o que é melhor para si mesmo.

De todo modo, algumas sugestões são universais. A primeira delas é evitar alimentos gordurosos, pois demandam muita energia para a digestão e podem deixar você com sono. Prefira uma dieta leve, planejada por nutricionista.

Falando em sonolência, noites bem dormidas são essenciais para o aprendizado. Reserve o tempo necessário de descanso – seis horas, oito horas ou o quanto for preciso para você se sentir bem.

Finalmente, não se esqueça da atividade física. Ela ajuda a descarregar a ansiedade, e ainda mantém o organismo funcionando com saúde. Dessa forma, você terá resistência para encarar as provas mais difíceis.

Esperamos que o conteúdo de hoje tenha sido útil. Quer outras dicas de preparação para concurso público? Então continue de olho no blog do Andresan. Bons estudos!

Concurso do DEAP-SC segue com inscrições abertas – Conheça os detalhes

0

Estão abertas, até 13 de novembro, as inscrições para o concurso do DEAP-SC. O Departamento de Administração Prisional de Santa Catarina prevê a contratação imediata de 600 agentes penitenciários. Também haverá cadastro de reserva.

Podem participar pessoas graduadas em qualquer curso superior. A prova escrita será aplicada, provavelmente, no dia 1º de dezembro, nos municípios de Blumenau, Chapecó, Criciúma, Florianópolis, Itajaí, Joinville e Lages. Continue conosco para saber mais detalhes sobre o certame.

Concurso do DEAP-SC selecionará agente penitenciário

O agente penitenciário é responsável pela gestão do sistema prisional. O servidor realiza a segurança da unidade em atividades como escolta de presos, revista das instalações e orientação quanto às normas disciplinares. A jornada de trabalho é de 40 horas semanais.

Segundo o edital do concurso (disponível on-line), o DEAP-SC oferece um salário bruto de R$ 3.993,82, que corresponde a vencimento básico, gratificação fixa e auxílio alimentação juntos. Há vagas disponíveis para homens e mulheres, inclusive pessoas com deficiência.

Etapas do concurso para agente penitenciário em Santa Catarina

O certame será conduzido pela Fundação de Estudos e Pesquisas Socioeconômicos (FEPESE) de Santa Catarina. Serão seis etapas, todas de caráter eliminatório.

A primeira fase consiste em prova objetiva com 100 questões valendo 0,1 ponto cada. As matérias cobradas envolvem Língua Portuguesa, Raciocínio Lógico, Direitos Humanos, Direito Constitucional, Administração Pública, Direito Penal, Legislação Especial, Direito Processual Penal, Legislação Estadual, Lei de Execução Penal e Sociologia Aplicada.

Nessa etapa, o somatório da pontuação também tem função classificatória. Isso vale tanto para a aprovação imediata quanto para um eventual cadastro de reserva no Departamento de Administração Prisional.

A segunda fase do concurso público é o teste de aptidão física. Os candidatos deverão realizar corrida em 12 minutos, flexão abdominal, impulsão horizontal e exercícios na barra fixa (flexão, no caso dos homens, e sustentação, no caso das mulheres).

Na terceira fase, os participantes vão se submeter à avaliação de aptidão psicológica. É o momento de entender a personalidade do candidato para verificar se a pessoa demonstra controle emocional, senso crítico e flexibilidade de conduta, entre outras qualidades.

A quarta fase corresponde ao exame toxicológico. Deve-se obter resultado negativo para substâncias entorpecentes ilícitas, como maconha e cocaína.

Enfim, chega-se à quinta fase, a da investigação social. Nesse ponto, são verificados os antecedentes do indivíduo. É esperado comportamento ilibado, conforme especificado no item 13.9 do edital.

Quem passar por essas cinco etapas chega à última fase do concurso para o DEAP-SC: o Curso de Formação Profissional. Serão convocados até 980 candidatos previamente aprovados nas fases anteriores. Após 420 horas/aula, os que obtiverem melhor avaliação poderão ocupar o cargo de agente penitenciário em Santa Catarina.

Como se preparar para o concurso do DEAP-SC

A aprovação nesse certame requer conhecimento específico, bem como condicionamento físico e psicológico. Por isso, quanto antes você começar a se preparar, mais chances tem de conquistar a aprovação. Acesse os links abaixo e acompanhe algumas dicas:

– Cultive hábitos saudáveis, como alimentação adequada, sono na medida e técnicas de equilíbrio emocional;

– Organize uma rotina de estudos conforme seus horários disponíveis;

– Matricule-se em aulas preparatórias. O Andresan – Cursos & Concursos tem uma excelente equipe de professores. Nós podemos tirar suas dúvidas até nas matérias mais difíceis. Conheça nossos cursos.

Gostou? Esperamos que as informações de hoje tenham sido úteis. Bons estudos!

Domine sua ansiedade até o lançamento do edital do concurso

0

O concurso é aprovado, anunciam a banca examinadora e… Nada de lançamento do edital. Como driblar a ansiedade numa situação dessas?

Se você pretende fazer a prova do TJ/RS – classe O, provavelmente sabe bem do que estamos falando. A chamada oficial estava para sair a qualquer momento, mas esse “qualquer momento” durou alguns meses até a publicação na última segunda-feira (7).

Hoje vamos dar dicas do que fazer nesse meio-tempo. Continue conosco e descubra como manter o foco nos estudos, mesmo durante um período de incertezas.

Antecipe-se ao lançamento do edital do concurso

Antes de tudo, quem disse que você precisa esperar pelo edital do certame? A preparação para concurso público exige tempo para ler o conteúdo, resolver exercícios e revisar a matéria. Isso é tarefa para várias semanas.

Porém, quando o documento oficial finalmente é divulgado, o intervalo entre essa data e a aplicação da prova costuma ser de um ou dois meses. Trata-se de um prazo curto demais para se começar do zero.

É por esse motivo que muitos concurseiros resolvem estudar mesmo antes do lançamento do edital. Basta dar uma olhada nas provas anteriores para ter ideia das disciplinas que serão cobradas.

Pense que cada dia de “atraso” é um dia a mais para você se preparar. Aproveite para compreender temas difíceis (como legislação) e exercitar a escrita, caso redação seja um exigência da banca. A prática ajuda a desenvolver as habilidades que serão necessárias no dia D.

Como controlar a ansiedade durante os estudos

Ok, o tempo extra pode ser benéfico para quem ainda tem dificuldades com a matéria, só que não resolve o problema da ansiedade. Tem muito candidato que aposta todas as fichas na carreira pública, embora nem saiba se tem vocação para o ofício. Para esses, realmente, a indefinição da data da prova costuma trazer angústia.

A questão é que cada pessoa lida com a pressão de um jeito particular. Portanto, o segredo está em conhecer as próprias inseguranças e trabalhar para administrá-las.

Por exemplo, você pode organizar uma rotina de estudos que priorize pequenas metas diárias. Determine que lerá um capítulo da apostila por dia (ou uma quantidade de páginas que caiba nos seus horários). Esse foco no presente, um desafio de cada vez, evita que a gente sofra por antecipação com as incumbências de amanhã.

Se os pensamentos continuarem atribulados, experimente técnicas de relaxamento. A meditação é uma ótima companheira de quem está com a cabeça carregada de informação. Outras atividades, como hobbies que envolvam arte, também são boas opções. Reserve uns minutinhos da semana para elas.

Por fim, não se esqueça de cuidar do corpo. Ele deve estar com saúde, o que garante energia durante a preparação para o concurso. Adote hábitos saudáveis, como uma dieta balanceada, períodos regulares de sono e, isto mesmo, atividade física.

Caso, ainda assim, a ansiedade pré-edital esteja forte, busque ajuda especializada. O apoio psicológico de um profissional pode ser determinante para enfrentar situações mais difíceis da vida.

Esperamos que as dicas de hoje colaborem na sua rotina de estudos. Fique de olho em nosso blog para saber das novidades sobre concurso público! Até a próxima. 😉

Passo a passo – Como evitar a procrastinação nos estudos

0

Sabe aquele hábito de deixar as tarefas importantes para depois? O nome disso é procrastinação, e ela pode ser uma grande inimiga dos estudos. Como a preparação para concurso público demanda bastante tempo, você deve começá-la o quanto antes. Por isso, vamos ensinar dicas para acabar com a enrolação. Acompanhe.

Passo 1: Pare de adiar as tarefas e organize-se!

Ninguém dá conta do conteúdo inteiro de uma prova numa tarde só. Além da complexidade do assunto, há muitos tópicos que precisam ser assimilados. Ler tudo de uma vez seria cansativo e improdutivo.

Por essa razão, os concurseiros elaboram um cronograma de estudos. A ideia é trabalhar um pouco a cada dia, de modo que você consiga assimilar a matéria progressivamente.

Primeiro, designe um horário fixo para estudar e marque-o na agenda. Trate essa hora do dia como um compromisso inadiável, como se fosse uma consulta médica ou uma entrevista de emprego.

Evite a sobrecarga. Passar o dia inteiro lendo sobre o mesmo assunto pode ser muito chato. Em vez disso, dedique períodos curtos para cada disciplina. Sabendo que a tarefa será fácil de cumprir, você não corre tanto risco de procrastinar.

Algumas pessoas utilizam a técnica Pomodoro, que intercala momentos de estudo focado com intervalos para o descanso. Que tal experimentar?

Passo 2: Identifique os gatilhos de procrastinação

Depois de organizar a rotina, você deve evitar as atitudes que levam à procrastinação. A principal delas é o uso de redes sociais.

Não existe essa de dar “só uma olhadinha” no Instagram. Quando a gente percebe, já passou meia hora com o celular na mão. Aí, até retomar a atenção às apostilas, gastamos mais tempo ainda.

Portanto, fuja das distrações. Desligue os aparelhos eletrônicos e concentre-se nos seus afazeres.

Outro problema é arranjar responsabilidades “mais urgentes”. Quem não quer estudar encontra qualquer justificativa para isso: precisa pagar uma conta no banco, levar o cachorro para passear ou fazer faxina.

De novo, vale a regra da organização. Se está na hora de ler sobre Direito Constitucional, essa será sua prioridade. Deixe as atividades da casa para outro momento. Não invente desculpas para adiar tarefas!

Passo 3: “Melhor feito que bem-feito” é o lema

O perfeccionismo também pode motivar a procrastinação. Alguns sujeitos criam expectativas demais em relação ao próprio desempenho. Nesse caso, o medo de falhar se torna um obstáculo antes mesmo do início da jornada.

A verdade é que toda conquista parte de um primeiro passo. Haverá dias ruins, certamente. Nem sempre você vai estar com ânimo para os estudos. O rendimento pode cair, num dia ou outro.

No entanto, mais vale fazer alguma coisa que coisa nenhuma. Deixe a pretensa perfeição de lado e simplesmente comece.

Será um esforço diário, mas a insistência vira hábito e o hábito, aos poucos, vira rotina. Logo mais, os estudos farão parte de seu cotidiano com tanta naturalidade que adiar compromissos será um problema do passado.

E então, vamos espantar o fantasma da procrastinação para longe? A hora é agora!

Esperamos que as dicas de hoje sejam úteis para você. Muito obrigado pela companhia e bons estudos!

Como escolher o melhor concurso para prestar?

0

Muitos são os motivos que podem levar alguém ao serviço público. A estabilidade na carreira e os salários acima da média do mercado costumam ser grandes atrativos. Porém, em meio a tantas possibilidades de atuação, como definir o melhor concurso ao qual se dedicar?

Essa é uma pergunta difícil de ser respondida. Afinal, o trabalho de um técnico administrativo é bem diferente das rotinas de um policial federal, por exemplo. A escolha vai da personalidade de cada um.

De todo modo, existem alguns fatores que ajudam os candidatos a fazerem a opção certa. Acompanhe nosso raciocínio e veja qual caminho seguir.

Aptidão para a carreira pública define qual é o melhor concurso

Antes de você se deslumbrar com um contracheque robusto, tente imaginar-se ocupando um cargo público. Será que a carreira de servidor é para você? Nós já abordamos essa discussão aqui no blog, mas vale a pena retomá-la um pouco.

Pense que a aprovação no certame será o início de uma trajetória profissional. Portanto, se você quiser fazer seu serviço bem feito, é importante sentir-se confortável no posto.

Atuar num órgão público demanda organização e compromisso com horários, algo que pode ser mais fácil para algumas pessoas que para outras. Também é necessário ter familiaridade com as leis – e, nesse ponto, não há escapatória: deve-se estudar bastante.

Ou seja: quem não gosta de ler, interpretar textos e resolver desafios dificilmente se adaptará à burocracia. É o seu caso?

Tempo disponível para os estudos também pesa na decisão

A disponibilidade para estudar é outro ponto que ajuda a determinar o concurso mais adequado para a sua situação. Trata-se de um dilema mais matemático que existencial, digamos assim.

Primeiro, trace metas. Em quanto tempo você pretende conquistar a aprovação? Lembre-se de que certas provas são mais difíceis que outras, seja porque a concorrência é grande, seja porque as matérias são mais complicadas.

Isso leva a uma segunda questão. Sua base educacional é boa o bastante para você competir por uma vaga num órgão público? Muitas vezes, é preciso dar um passo para trás e retomar conceitos básicos de Língua Portuguesa e Matemática. Depois, vêm as apostilas sobre Legislação e conhecimentos específicos.

Alguns concurseiros contam com o apoio financeiro dos pais e da família. Eles conseguem se dedicar o dia inteiro aos estudos, o que tende a trazer resultados satisfatórios em menos tempo. Já quem trabalha em turno integral precisa adequar a rotina de aulas, leituras e revisões a um cronograma mais apertado. Resta saber se as horas disponíveis no dia são suficientes para a preparação.

Vale lembrar que cada indivíduo assimila o conteúdo num ritmo diferente. Por isso, nem sempre se consegue prever o tempo necessário para passar num concurso. Quem define a urgência é você.

Uma dica para candidatos de primeira viagem é começar por concursos mais simples. Isso eleva as chances de aprovação. Aí, uma vez dentro da máquina pública, dá para ter uma noção de como funciona a carreira naquele setor. Nada impede que você continue tentando outras provas depois, ou mesmo que estude para mais de um certame simultaneamente.

Gostou das dicas? Esperamos que o artigo de hoje ajude você a escolher o concurso que melhor atenda aos seus objetivos. Obrigado pela leitura e até a próxima!

 

7 dicas para estudar legislação (e entender o conteúdo)

0

Questões relativas a leis são bastante comuns em concursos públicos, mas muitos candidatos têm dificuldade com esse tipo de matéria. Pudera, né? O assunto não costuma ser ensinado em escolas e até a linguagem dos textos oficiais é complicada. Será que existe uma maneira de estudar legislação sem sofrer?

Como estudar legislação para concurso público

A resposta é: sim, você pode estudar – e entender – legislação pública. Abaixo, indicamos sete formas de potencializar o seu aprendizado. Aproveite!

  1. Encontre o texto oficial da lei

A melhor forma de dominar um conteúdo é buscando as referências originais, sem intermediários. Portanto, no caso das leis, você deve conhecer o texto oficial.

O site do Planalto mantém on-line as leis federais. Para legislação estadual, confirma o site do respectivo governo ou da Assembleia Legislativa. Se o concurso prevê questões sobre leis municipais, busque o material junto ao site da prefeitura ou da Câmara de Vereadores.

  1. Estude a versão certa do texto

Muitas normas oficiais passam por atualizações. Um artigo é revogado, outro é substituído e por aí vai.

Essas alterações podem ser cobradas na prova (ou não). Para evitar confusões, baseie-se na data de publicação do edital do certame. Valerá a versão da lei que estiver em vigor naquele dia.

  1. Use o dicionário

Embora a legislação ganhe atualizações, muitos textos foram publicados há décadas. Isso significa que a linguagem utilizada pode parecer anacrônica, ou melhor, fora dos padrões para esta época.

Se aparecer um termo pouco usual pelo caminho, não hesite em recorrer ao dicionário. Com o tempo, você vai se acostumar ao palavreado – e os tópicos de legislação não parecerão mais tão desafiadores assim.

  1. Leia aos poucos

Não adianta ler 300 artigos de lei numa sentada só. É muito conteúdo para você absorver de uma vez.

Quebre a matéria em pedaços menores. Por exemplo, estude cinco artigos por dia. Tenha certeza de que você compreendeu todos os pontos e, somente então, avance para a próxima fase.

Deu para perceber que isso leva tempo, né? Mais um motivo para organizar o cronograma de estudos.

  1. Faça simulados com provas anteriores

Alguns concursos públicos cobram conhecimento sobre trechos específicos da legislação. Outros são mais baseados na interpretação ou na aplicação da lei que no texto literal.

Ou seja: você precisa se familiarizar com o estilo da banca organizadora. Para isso, nada melhor que resolver questões das provas anteriores. Esse exercício também serve como simulado para testar seus nervos – e, claro, verificar o aprendizado adquirido até o momento.

  1. Entenda o contexto

Decretos, normativas e afins existem por uma razão. Que tal ir atrás dela? Conhecer o contexto histórico ajuda a compreender os motivos para a criação de determinada lei, o que serve de base para um entendimento mais profundo do tema. Busque notícias, pesquisas acadêmicas e outras bibliografias que possam lhe ajudar nesse sentido.

  1. Não desista

O caminho para a aprovação num concurso público nem sempre é fácil. Em muitas ocasiões, queremos largar tudo e desistir. Mas você não deve deixar que uma aflição passageira tire seu foco do objetivo maior.

Precisa de ajuda? Confira nosso post com dicas de motivação para continuar os estudos.

Esperamos que o artigo de hoje tenha sido útil para você dominar os tópicos de legislação da próxima prova. Gostou? Continue acompanhando nosso blog e fique por dentro de mais novidades sobre concurso público. Até!

Redação perfeita: 5 dicas para você arrasar na prova

0

A prática leva à perfeição. Isso vale para qualquer tarefa que alguém deseje executar, inclusive uma redação de concurso público. Quanto mais treino e esforço empregados nas questões discursivas, mais desenvoltura você terá para cumprir essa etapa da prova sem dificuldade. E, com as dicas a seguir, sua preparação ficará bem mais fácil.

Dicas para redação de concurso público

Não vamos ensinar o passo a passo para uma redação nota 10. O que pretendemos, com este post, é apresentar algumas orientações gerais. Elas servirão de base para você acertar a mão nos simulados e exercícios preparatórios para o certame. Confira!

  1. A forma da redação conta pontos

Os exames costumam exigir um número mínimo e máximo de linhas para as tarefas escritas. Mantenha-se dentro desse limite. A inobservância da regra custa pontos a menos na nota final.

Tome cuidado, também, para não ultrapassar as margens estabelecidas na folha. Além disso, procure desenvolver uma caligrafia legível. Se a banca não entender seus garranchos, poderá desqualificar o seu trabalho.

  1. Linguagem simples sempre funciona

Tudo bem que, especialmente na área do Direito, às vezes é necessário utilizar uns termos rebuscados. Porém, essa não é uma obrigação. Palavras difíceis só devem ser usadas se forem imprescindíveis para o entendimento de uma explicação. De resto, prefira as expressões mais comuns do dia a dia – sempre respeitando a formalidade e as regras normativas do texto escrito, claro.

Outro problema bastante comum são as frases muito longas e entrecortadas por vírgulas. Elas atrapalham a compreensão do leitor, sem contar que aumentam as chances de você cometer erros de pontuação. Na dúvida, opte por períodos simples e pela ordem direta dos elementos (sujeito, verbo e complemento).

  1. Organize suas ideias

A coerência é um dos pontos mais importantes de uma redação para concurso. Você deve evitar contradições e comentários aleatórios. Portanto, nunca fuja da estrutura estabelecida para o texto.

Existem muitas maneiras de montar o esboço da dissertação. Geralmente, o candidato anota as ideias em tópicos e as dispõe em uma sequência lógica. Essa lista funciona como uma espécie de espinha dorsal para os parágrafos, de modo que as informações apresentadas permaneçam no alinhamento correto.

Lembre-se: cada frase deve trazer uma informação útil para a continuidade do argumento. Se ela não agrega nada, é dispensável.

  1. Conheça a banca

Já falamos aqui no blog que conhecer a banca avaliadora pode ajudar na preparação para o concurso. Isso porque cada entidade tem um método diferente de avaliação. Algumas são mais técnicas, enquanto outras trabalham com critérios subjetivos.

Leia editais de certames anteriores conduzidos pela mesma instituição. Busque entender qual é o formato de redação esperado naquele caso. Em seguida, exercite a escrita para adequar-se àquele modelo. Faça redações sobre temas variados que possam cair na prova.

  1. Tenha orientação profissional

O auxílio de um professor de português especializado em concursos públicos também é indispensável. O profissional faz mais que apontar erros de ortografia ou de gramática. O trabalho dele consiste em acompanhar o progresso dos alunos, conduzindo-os a uma escrita mais adequada para o tipo de produção exigido num certame.

Quer saber mais? Então dê uma olhada nos cursos de Português do Andresan – Cursos & Concursos. Nossa equipe está pronta para lhe ajudar.

Esperamos que as dicas de hoje tenham sido úteis para você começar sua preparação rumo à redação perfeita. Obrigado pela companhia e até mais!

Estudar sozinho ou em grupo: o que é mais produtivo?

1

Existem diferentes maneiras de se preparar para um concurso público. Por exemplo, você já comparou as vantagens de estudar sozinho ou em grupo? Talvez uma mudança de estratégia seja o que está faltando para lhe dar um novo gás no caminho até a aprovação.

No post de hoje, vamos conferir qual é o momento certo para recorrer a cada modalidade de estudos. Fique conosco!

Estudar sozinho ou em grupo? O esforço é sempre individual

Para começo de conversa, cabe lembrar que o progresso em qualquer atividade da vida depende de uma boa dose de esforço pessoal. No caso de um concurso público, a concorrência pode ser um fator que amedronta alguns candidatos. Porém, no fim das contas, a maior competição é, sempre, a de você consigo mesmo.

Atingir a aprovação num certame requer conhecimento. Só que cada indivíduo tem um tempo diferente para assimilar o conteúdo. Talvez você tenha facilidade para as questões de Língua Portuguesa, mas demore um pouco mais para avançar na apostila de Direito Constitucional. Talvez seja o contrário: Legislação é barbada, mas as regras do Português parecem confusas.

Concurso do TJ/RS terá banca da FGV: veja como se preparar

0

O concurso para Oficial de Justiça do TJ/RS já tem banca definida. A responsável pela elaboração da prova será a Fundação Getúlio Vargas (FGV), uma das mais temidas pelos concurseiros. Mas será que a fama de difícil procede mesmo? A seguir, veja como se preparar para esse e outros certames conduzidos pela FGV.

Banca FGV: grau de dificuldade costuma ser alto

Estudar para concurso público requer algumas estratégias. Uma delas é conhecer a banca realizadora com antecedência. Isso porque cada órgão possui um estilo de prova diferente. Alguns cobram questões mais conteudistas ou técnicas, enquanto outros priorizam a interpretação de texto.

No caso da FGV, esqueça a decoreba. A intenção é avaliar se o candidato consegue aplicar o conhecimento adquirido. Em outras palavras, não se trata de memorizar leis ou regras gramaticais. Mais importante que isso é saber utilizar o conteúdo na prática.

Nas provas de Direito, é comum encontrar questões multidisciplinares, que exijam bastante reflexão. O concurseiro deverá analisar o episódio e concluir, a partir de suas noções de legislação, qual é a melhor solução para o caso. Fique de olho, pois pegadinhas não estão descartadas.

Na parte de Língua Portuguesa, pode haver muita reescritura. Essa é uma forma de observar se o candidato consegue elaborar frases de acordo com a gramática normativa. Ainda, há bastante interpretação textual, sendo que as perguntas variam entre enunciados curtos e outros bem extensos.

Tamanho rigor, somado à extensão longa da prova, faz com que os especialistas considerem a banca da FGV uma das mais difíceis de concursos públicos. Ou seja: você precisa manter o foco nos estudos para aumentar suas chances de aprovação no certame.

Como se preparar para concursos da FGV

A preparação para concursos da FGV e de quaisquer outras bancas segue a mesma lógica. O primeiro passo consiste em buscar provas anteriores. O acesso a esse material vai ajudar você a se familiarizar com o estilo das questões.

Em seguida, reserve momentos de sua rotina de estudos para a realização de simulados. Resolva uma prova do início ao fim, cronometrando o tempo, para se acostumar ao clima que você encontrará no dia D. Essa prática também serve para averiguar o próprio desempenho e corrigir eventuais pontos que mereçam atenção.

Vale lembrar que todo concurseiro pode seguir esse método em casa, individualmente. No entanto, o estudo fica mais produtivo quando há a contribuição de colegas e professores especialistas no assunto. O grande grupo colabora para tirar dúvidas e esclarecer as partes mais nebulosas da matéria.

Aqui no Andresan – Cursos & Concursos, estamos oferecendo um curso de Resolução de Questões de Português. São 500 questões de provas da Fundação Getúlio Vargas. As aulas são ministradas pelo professor Andresan Machado, uma das maiores referências em preparação para concurso público no Rio Grande do Sul.

Trata-se de uma oportunidade direcionada a você, que deseja seguir carreira como Oficial de Justiça do TJ/RS ou pretende participar de outros certames da banca FGV. Os encontros presenciais são à tarde, a partir do dia 21 de agosto, bem como a versão on-line estará disponível, a partir de 16 de agosto, para aquisição em nosso site..

Não tema os concursos da FGV! Faça já sua matrícula e comece uma preparação focada, rumo à tão merecida aprovação.

Sim, é possível estudar para concurso e ter vida social

0

Quem se prepara para concurso público não tem vida social. Pelo menos, é assim que pensam os amigos e parentes de muitos concurseiros.

Não dá para negar que a rotina de estudos tem impacto direto no dia a dia de uma pessoa. Os horários ficam mais restritos e as prioridades mudam. Ou seja: nem sempre sobra espaço na agenda para aquela saidinha do fim de semana.

Por outro lado, é possível conciliar as apostilas com os momentos de lazer, até porque eles são importantes para aumentar a produtividade. Quer saber o que fazer? Confira mais detalhes a seguir.